Dicas

Quebrei a perna! Saiba tudo sobre a minha fratura de tíbia.

Dicas e Aulas, não fique fora da nossa lista!

Oi meus amores! Sim, este é um blog de beleza, porém achei válido registrar aqui algo que paralisou a minha vida e todas as minhas atividades no universo da beleza:

Uma fatura na tíbia esquerda, um osso grande que temos na canela, com um tombo muito idiota. Vem conferir tudo que aconteceu.

fratura na tibia

Como aconteceu

Estava muito feliz naquela terça-feira do dia 06/08/2019! Comecei meu inferno astral bem tranquila, em num nível alto de produtividade alto na minha escola, a Beauty4Share, e super motivada para fazer as coisas acontecerem! Eu sou uma pessoa extremamente ativa, workaholic e produtiva. Ficar parada pra mim era como se eu estivesse perdendo muuuito tempo, sem dúvidas! Naquela manhã, eu já tinha finalizado uma reunião maravilhosa e estava já atrasada para ir ao meu médico. Fiz um caminho diferente para economizar tempo, que dificilmente eu faço, quando vi um fio atrapalhando a saída do meu carro. Com certeza eu não passaria naquele local se não  houvesse aquele fio ali, bem do tipo quando você está no lugar errado na hora errada, sabe? Eu dei apenas 2 passos e escorreguei. Caí de um jeito que minha perna torceu para o outro lado, durante a queda pude ouvir o barulho do osso quebrando, foi terrível!
No momento em que caí no chão senti uma dor tão grande que minha mente ficou toda escura (quase desmaiei) e não tive forças para chamar ninguém naquele primeiro minuto do choque. Me dei conta que realmente tinha fraturado quando tentei levantar a perna e vi que uma parte da perna subia e o resto ficava no chão , sem eu ter controle algum. Foi desesperador, passou um filme na minha cabeça em ter que desmarcar todos os meu compromissos, em ficar internada, ter que passar por cirurgia, ficar sentindo aquela dor e fora o tempo de recuperação... Comecei a chorar desesperadamente.

Resultado do deslise

fratura na tibia

Tive que ficar imobilizada até os bombeiros chegarem.  Minha sorte foi que duas pessoas estavam ligando ao mesmo tempo para a emergência e uma delas ligou para os bombeiros, que chegaram após 25 minutos.
Dica importante, não ligue pro SAMU, aquela merda não funciona... quase 2h depois eles retornaram a ligação perguntando se ainda precisaria da ambulância! Isso me revolta muito nesse país em que pagamos impostos altíssimos, se fosse um tiro eu já teria morrido, com certeza.
Mal sabia que ápice da dor nem tinha começado. No momento de colocar a tala eu gritei muito, ele teve que colocar meu osso no lugar e então me virar de barriga para cima para conseguir me colocar na prancha. Eu urrava de dor, não sei explicar o tamanho dela e além de chorar muito também! Tive sorte por ter convênio e ter um hospital bom a menos de 15min do local em que caí. Me colocaram na viatura e aqueles poucos minutos pareciam uma eternidade a cada buraco na rua e a cada lombada. Eu gritava de dor cada vez que minha perna mexia, mesmo "imobilizada".
Chegando ao hospital São Camilo, pelo qual fui muito bem atendida, colocaram o acesso no meu braço e depois de uns 10 minutos já fui atendida pelo Dr. Daniel que foi um querido. Logo foi o segundo ápice de dor,  tirar a prancha das minhas costas, me passar para a maca, ainda tiveram que colocar meu osso no lugar e puxar meu pé, que sofrimento! Na sequencia de tudo isso já recebi as medicações devidas na veia mas demoraram para fazer efeito.
O terceiro pior momento foi na hora de tirar o raio-x. Meu marido ouvia os meus gritos no corredor, a cada micro movimento meu osso saia do lugar. Quando tive que trocar de maca, de posição para localizar a fratura parecia realmente que meu osso estava sendo triturado. Por fim, fui levada para enfermaria da ortopedia para fazer a tala e esse momento nunca mais vou me esquecer na vida, foi a pior dor que já senti! O processo para enfaixar e colocar o gesso na minha perna foi preciso dois médicos para segurar a minha perna. Em que um puxando meu pé pra cima e o outro colocando meu osso no lugar, enquanto o enfermeiro passava a faixa e o gesso até a minha coxa. Gritava, chorava, suava, fazia oração e achava que ia desmaiar. Ainda mais, eu já estava sob efeito dos remédios, mas dor no osso era simplesmente é algo surreal que nunca mais quero sentir de novo.
Depois de enfaixada, melhorou bastante a dor, já que fiquei totalmente imobilizada. Mas somente no dia seguinte foi feita a minha cirugia, ela foi exatamente igual a do Anderson Silva, lutador do UFC. Foi colocada uma haste flexível dentro do meu osso com 5 parafusos para prendê-la.
Veja como foi feita a cirurgia:

O pós operatório

fratura na tibia

Fiquei ao todo cinco dias internada, recebi alta no sábado na hora do almoço. Enquanto eu estava no hospital tudo foi maravilhoso, até consegui trabalhar um pouco pelo computador e assistir cursos online. Tudo parece lindo quando você recebe os remédios pela intravenosos, mas quando você tem que tomar via oral, a sua vida passa a ser um inferno. Fui pra casa da minha sogra e ela foi um anjo cuidando de mim, super caridosa! Fiquei acampada no sofá dela por duas semanas, pois não podia subir escadas para ficar no quarto. Logo no primeiro dia em casa, já voltei para o hospital de madrugada para tomar morfina, de tanta dor que eu senti e troquei a tala.
Ainda mais, a minha cara estourou inteira por alguma alguma reação dos remédios, fiquei horrível parecendo um chokito.
fratura na tibia
Estou há um mês sem conseguir dormir a noite por conta da dor, já que parece que de madrugada a dor aumenta e não tenho posição para ficar com a perna. Foram duas semanas sofridas de muito enjoo, dor, depressão e ansiedade por tudo aquilo que estava vivendo. Hoje posso dizer que foram os piores dias da minha vida, uma dor que não dá sossego e irrita muito. Tive muita confusão mental e meu psiquiatra teve que dobrar a dose dos meus remédios para ansiedade.
Depois de 15 dias tirei o gesso e os pontos, achei que tudo ia melhorar... Porém não passava de uma doce ilusão!  Sem o gesso a minha perna estava desprotegida, qualquer mínimo impacto, principalmente da cadeira de rodas, já causava muita dor! Tive que usar meia de compressão para evitar o risco de trombose. Passei muitas noites e manhãs chorando muito, querendo minha vida de volta, meu tempo perdido. Ficava tentando imaginar qual lição que eu deveria aprender com toda essa situação, afinal foram tantas.

Fotos do pós operatório

O que aprendi com tudo isso

1. A impotência do ser humano: não somos NADA! Somos tão frágeis, em menos de cinco minutos a sua vida pode virar do avesso por um simples tombo.
2. Poderia ser pior: Minha fratura quase foi exposta, foi por pouco! Poderia, por exemplo, ter batido a cabeça e ter morrido, simples assim! Ainda mais, durante esse período em que tive a fratura, logo na sequência  a Fernanda Young veio a falecer, por aspirar o próprio vômito durante  uma crise de asma! Assim, eu parei novamente para refletir: poderia ter sido pior...
3. A dependência é cruel! Esquece do orgulho e passe por cima dele meu amor! Você só consegue comer se alguém te der comida, você só bebe água se alguém te trouxer, você só vai no banheiro, se alguém te levar ou te trazer a comadre, senão vai ter que fazer nas calças. Tomar banho, escovar os dentes, ir ao médico... tudo você depende totalmente do outro. Eu sempre tão independente, me ver nessa situação em que precisamos das pessoas 24 horas do nosso lado foi extremante difícil. Isso estressa muito tanto quem cuida, quanto quem está na situação de dependência.
4. Quando você está nessa situação fica bem claro quem se importa, de fato, com você e quem não se importa. Fiquei chateada com algumas pessoas que se diziam amigas e surpresa com outras, com um carinho que nem poderia imaginar. Mas tudo bem, vida que segue!
5. Quanto tempo, dentro de toda a minha tal produtividade, eu reservei para cuidar da minha saúde e do meu espírito? Isso não estava dentro das minhas prioridades, sempre me falavam e eu não queria enxergar, até o momento que fui obrigada a parar e sofrer com a minha saúde.
6. Sou espírita e acredito muito em provas e expiações. Fiquei pensando, será que eu pedi pra passar por isso para evoluir? Mas será eu fiz algo muito ruim no passado e mereço sentir todo esse sofrimento? Qual aprendizado tenho que tirar disso tudo? Preciso aprender, porque não quero ter que repetir a mesma dor até aprender. Só Deus é quem sabe, né?
Esse tempo foi muito bom, porque refleti sobre tudo e me coloquei no lugar do outro. Essas 3 semanas com cadeira de rodas me mostrou algo que já sabia, mas não praticava a empatia: como nosso país não está preparado para acessibilidade! Daqui 3 meses vou voltar a andar, mas e quem for ficar pra sempre dependente de cadeira de rodas?

Obstáculos depois da fratura

Após 18 dias da minha fratura, tive que entregar um casamento. Foi uma superação maquiar de cadeira de rodas, fiquei com muita dor na lombar, mas agradeço pela minha noiva Giovanna ter sido tão paciente comigo!  Em 22 dias, logo na sequência, abri um evento na Beauty4Share, o Beauty4Day! Foi a primeira vez que me maquiei após o acidente, meu marido teve que me ajudar a prender o cabelo e ler a minha mente para achar os produtos que ia usar na make hahahahahahah. Sempre após esses pequenos esforços eu passava muito mal depois, com dores na perna e um cansaço absurdo.
Resolvi escrever esse pequeno grande relato para mostrar que quebrar a perna é além do que a palavra simboliza. Sinto que as pessoas não tem idéia de como é o processo todo, das limitações e o quanto a pessoa que sofre a fratura fica sensibilizada. De verdade, não tenho tempo para mimimi ou para me fazer de vítima para mostrar ao mundo quão coitadinha eu sou. O médico me disse que pode ser que eu seja mais sensível ao nível de dor que a minha fratura de tíbia causou, mas em toda minha vida nunca sofri tanto, como com essa perna.
Espero que eu possa ajudar alguém no futuro com esse texto, escrevo há exatamente 25 dias após a minha fratura e algo que tem me ajudado muito é: tomar arnica, passar gel de arnica nos hematomas e óleo essencial para dor com infusão de CBD - Canabidiol que trouxe de Orlando na minha última viagem. Em questão de alívio da dor de madrugada e sinto que fez a diferença. Também usei CDB sublingual para aliviar um pouco a dor e ajudar a melhorar ansiedade para conseguir dormir.
Agora meu próximo desafio será participar da Beauty Fair, já que a Beauty4Share terá um estande na feira e terei que dar conta de todos os meus compromissos na feira: 4 Palestras + 5 presenças em estandes de marcas parceiras! Irei de cadeira de rodas, porque não vou ter condições de andar aquele espaço todo de muleta.
Estou há 3 dias do meu aniversário de 34 anos o qual vou passar deitada com a minha perna imobilizada, porem estou feliz que estou viva e que a minha recuperação está indo bem, apesar das dores! Mas sei que terei novos desafios pela frente, como a dor da fisioterapia, o esforço que vou ter que fazer para andar de muleta e a paciência para voltar a andar só daqui três meses.
Quem quiser saber mais, deixei tudo nos destaques do meu Instagram @julianarakoza
Beijos
Ju Rakoza

E-Book

As 66 Lições de Vida que me transformaram em uma makeup artist

SEGUIR NO

SEGUIR NO

Junte-se a 27.897 pessoas.

Entre para nossa lista e receba conteúdo exclusivo.

Endereço

Rua José de Freitas Guimarães, 60

Pacaembu | CEP: 01237-050

São Paulo - SP

Contato

E-mail: julianarakoza@gmail.com

Telefone: (11) 2362-9558

Whatsapp: (11) 98882-6015

2018. Juliana Rakoza. Todos os Direitos Reservados. Termos de uso.